POR QUE CHORAS


 Diante do sofrimento de uma mulher, cuja dor era manifesta por meio do pranto, Jesus Cristo, querendo ouvir a voz do seu coração, perguntou-lhe: Mulher, por que choras?  De certa forma, diante da nossa dor e das lutas pelas quais passamos, muitas vezes tão fortes que fazem verter lágrimas dos nossos olhos, a pergunta de Jesus continua ecoando em nossos ouvidos: “por que choras?”              
O choro é sempre a exteriorização de um estado de espírito. Tanto pode ser expressão de grande alegria, como de profunda tristeza. É por isso que as lágrimas são uma linguagem da alma. Não raro, elas são o grito silencioso da nossa agonia, como também podem ser a expressão de um sorriso sereno, daqueles que começam e terminam no coração. O choro tem razões diferentes e as lágrimas são plurais. Algumas são momentâneas __ nascem diante de um desapontamento ou surpresa desagradável, mas morrem logo ao primeiro sinal de superação. São as lágrimas circunstanciais, são como chuva de verão, duram pouco tempo, mas deixam suas marcas.          Outras lágrimas são mais persistentes. Geralmente são frutos de um sofrimento demorado. São as lágrimas do luto, da enfermidade, da separação brusca, das injustiças e das perdas significativas. Elas têm um gosto amargo e se confundem com a nossa própria dor. Parecem eternas!       Existem, também, aquelas lágrimas invisíveis, derramadas dentro do peito, nunca chegam aos olhos, pois gotejam sempre no coração, encharcando a alma. Embora silenciosas, denunciam aquela dor oculta que escondemos dentro de nós.      O sábio Salomão afirmou com propriedade: “tudo tem seu tempo... há tempo para chorar e tempo para sorrir”. Sempre penso que as lágrimas preparam o caminho para o sorriso. Elas têm o poder de regar, no coração, a semente de onde brotarão o consolo e a alegria. Quando bem compreendido, no contexto da existência, o choro pode ser uma força impulsionadora da vitória; e as lágrimas, o combustível da nossa esperança . O .   Cada um tem seus limites, sua sensibilidade, e cada um sabe da sua própria dor.Todavia nenhum sofrimento ou tristeza deve ser motivo de desespero, pois as lágrimas não são eternas. O importante é lutar para que todas as dificuldades sejam superadas. O limite do homem será sempre a oportunidade de Deus.

Quaisquer que sejam os motivos do seu pranto, e por mais profunda que seja a sua dor, confie em Deus, pois Ele é a força que nos anima outra vez, e nos faz sorrir mesmo em meio às lágrimas. Nunca esqueça: “O pranto pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã”. É só uma questão de tempo









 

 






 


 

        !